Consulta de Enfermagem – Anamnese e Exame Físico do Casal Infértil

O impacto emocional do casal frente ao fracasso de não conseguir engravidar, faz com que tenham que lidar com sentimentos difíceis como a culpa, raiva, frustração, depressão.A busca no sonho de conceber um filho leva o casal a procurar ajuda de profissionais especializados, auxiliando os neste momento tão difícil. A perspectiva destes casais ao procurar a ajuda de profissionais é a constituição de uma família, através do grande desejo de ter um filho. Mas não é simplesmente isso. Eles se preocupam com os riscos decorrentes do uso das tecnologias reprodutivas, tais como os futuros efeitos da utilização prolongada de medicamentos e
os fracassos nas tentativas de tratamento.

Criando uma atmosfera cordial, empática, sem pré-julgamentos,o Enfermeiro pode assistir ao casal e adequá-los ao processo de avaliação. O conhecimento sobre a sua frustração,medo e ansiedade ajuda o casal a aceitar a sua situação e a oferta de assistência. A investigação do casal infértil obedece a uma sequência de critérios individualizados, onde deverão ser avaliados de forma holística, ou seja, em vários aspectos. A primeira consulta do casal em uma clínica de reprodução humana assistida deve ser realizada pelo enfermeiro (a) precedida da consulta médica. Nesta consulta, o enfermeiro deverá realizar a anamnese do casal, exame físico e planejamento da assistência. Estas etapas serão descritas a seguir,de forma detalhada, a fim de compreender a importância deste primeiro contato.

Cerca de 50% de todos os casais inférteis apresentam uma combinação de fatores, e aproximadamente 15% dos casais podem não apresentar alterações objetivas que levam a um diagnóstico definido.Na anamnese valoriza-se o tempo de infertilidade, a realização de cirurgias e tratamentos anteriores, medicamentos e doses utilizadas, relatos de Síndrome da Hiperestimulação Ovariana (SHO). Esses dados são importantes para auxiliar o médico na escolha do tratamento adequado.Deve-se executar uma cuidadosa história clínica, com especial enfoque para os antecedentes pessoais e familiares (infecções, problemas genéticos, cirurgias, fumo, uso de produtos tóxicos ou drogas, contato com agrotóxicos, tratamentos anteriores, etc) que podem estar relacionados com a infertilidade.Na história sexual do casal, tem interesse conhecer a freqüência coital, uso de lubrificantes que podem agredir os espermatozóides e a queixa de dispareunia que pode estar relacionada à presença de endometriose e de doença inflamatória pélvica crônica.Em relação à mulher, é necessário conhecer sobre a história menstrual, ou seja, registrar a idade da menarca e a regularidade dos ciclos, presença de dismenorréia, que pode guardar relação com a endometriose.

Na história obstétrica, é importante as informações de gestações anteriores, números de partos e abortos (espontâneos ou provocados) e gestação ectópica. No exame físico geral da mulher, avaliar a forma física, como peso, altura, hidratação, coloração da pele, palpação da tireóide, avaliando a presença de nódulos. Na avaliação das mamas, deverão ser estabelecidos critérios quanto à localização, divisão, forma e aos mamilos. As mamas devem ser palpadas delicadamente e de maneira ordenada, obedecendo-se à divisão de seus quadrantes, avaliando os seguintes aspectos: localização, consistência, mobilidade, tamanho, sensibilidade à dor e textura. No exame da genitália feminina, inspecionar estaticamente toda a vulva, períneo, Monte de Vênus, clitóris, meato uretral, grandes e pequenos lábios, intróito vaginal e períneo. No exame especular,avalia-se o canal vaginal e o colo do útero. A avaliação do homem inicia-se com a investigação da sua história reprodutiva: filhos de outros relacionamentos, dificuldades de ereção e/ou ejaculação e traumatismos testiculares. A avaliação seminal é um dado importante para nortear o tratamento a ser empregado.O exame físico geral do homem, assim como na mulher,deve-se avaliar o peso, altura, etc. No exame da genitália masculina,deve-se avaliar o tamanho e a forma do pênis. Em seguida, retrair o prepúcio e expor a glande, observando presença de lesões ou secreções. Apalpar o escroto, os testículos e epidídimo, avaliando a forma, tamanho e presença de massas.Com base nesses dados, o enfermeiro deverá realizar a Sistematização da Assistência de Enfermagem, traçando os diagnósticos com as respectivas intervenções de enfermagem e, posteriormente, a avaliação do casal durante o tratamento.

Fonte: Artigo Cientifico - UNISA