Clamídia é a doença sexualmente transmissível (DST) mais comum em todo o mundo. Essa DST muitas vezes é silenciosa e pode afetar tanto homens quando mulheres, não tem tratamento difícil. Mas, se não receber a devida atenção, pode desencadear problemas mais graves de saúde.

Causas

Clamídia é uma doença sexualmente transmissível (DST) causada pela bactéria Chlamydia trachomatis. Ela pode ser transmitida via contato sexual anal, oral ou vaginal e pode também ser congênita, ou seja, pode ser passada de mãe para filho durante a gravidez.

Fatores de risco

Manter relações sexuais desprotegidas é o principal fator de risco para contaminação por clamídia. Independentemente do número de parceiros que uma pessoa venha a ter, o fator determinante para a transmissão dessa e de outras doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) é a ausência de preservativo durante o ato sexual.

Sintomas de Clamídi

Os estágios iniciais da clamídia não costumam manifestar sintomas. Quando eles ocorrem, isso acontece geralmente de uma a três semanas após a exposição à bactéria causadora da doença. Mesmo quando os sintomas se manifestam, eles são fracos e passageiros.

Confira os principais sinais de contaminação por clamídia:

Ardência ao urinar
Dor abdominal
Corrimento vaginal
Corrimento peniano
Penetração dolorosa durante o ato sexual, no caso de mulheres
Sangramento intermenstrual e após a relação sexual
Dor nos testículos
Dor ou secreção retal
Sintomas de doença inflamatória pélvica.
Um em cada quatro homens com clamídia não apresentam sintomas, e somente cerca de 30% das mulheres infectadas manifestam os sinais típicos da doença.

Diagnóstico de Clamídia

O exame para detecção de clamídia é recomendado para mulheres grávidas, jovens de até 25 anos e homens e mulheres que tenham tido vários parceiros ao longo dos últimos meses. Mas este teste é recomendado, principalmente, para pessoas que mantiveram relações sexuais sem o uso de preservativos.Para realizar o diagnóstico de clamídia, os procedimentos são considerados bem simples. Os exames envolvem a coleta de amostras da secreção uretral ou das secreções do colo do útero. Se o indivíduo pratica sexo anal, amostras extraídas do reto também podem ser solicitadas. A amostra é encaminhada para um teste de anticorpos monoclonais ou fluorescentes, teste de sonda de DNA ou cultura celular. Alguns desses testes também podem ser realizados em amostras de urina.

Tratamento de Clamídia

Por ser causada por uma bactéria, o tratamento de clamídia é feito à base de antibióticos. O médico dirá por quanto tempo você deve tomar o medicamento e quantas vezes ao dia.Se você tem clamídia, seu parceiro ou parceira também deve realizar os exames para diagnosticar a doença e, se der positivo, o tratamento ministrado será o mesmo – mesmo que ele ou ela não tenha manifestado quaisquer sintomas.O tratamento de clamídia não garante imunidade para a doença. Ou seja, se não houver o devido cuidado, ela pode retornar.

Complicações possíveis

Clamídia não tratada pode levar a problemas mais sérios de saúde, como:

Outras doenças sexualmente transmissíveis
Doença inflamatória pélvica
Epididimite
Inflamação na próstata
Contaminação de um recém-nascido, em caso de doença congênita
Infertilidade
Artrite reativa.

Prevenção

A única maneira 100% garantida de não contrair clamídia é não mantendo relações sexuais. Mas o uso de preservativos durante o ato sexual já é um método preventivo bastante eficaz contra essa e outras doenças sexualmente transmissíveis.

Fonte: Minha Vida