A atividade elétrica sem pulso é caracterizada pela ausência de pulso detectável na presença de algum tipo de atividade elétrica, com exclusão da taquicardia ventricular ou fibrilação ventricular.

A atividade elétrica sem pulso incorpora a dissociação eletromecânica e um grupo heterogêneo de ritmos que inclui: pseudodissociação eletromecânica, ritmo idioventricular, ritmo de escape ventricular, ritmo idioventricular pós-desfibrilação e ritmos bradiassistólicos.

Caracteriza-se, ao eletrocardiograma, por apresentar complexos QRS alargados e bizarros que não produzem respostas de contração miocárdica eficientes.A dissociação eletromecânica é a modalidade de parada cardíaca de pior prognóstico. Freqüentemente está associada ao choque cardiogênico, por falência de bomba ou por rotura do miocárdio com tamponamento cardíaco.

Considerar possíveis causas:

Hipovolemia (infundir volume), Hipoxemia (ventilação), Tamponamento cardíaco (Pericardiocentese), Pneumotórax hipertensivo (descompressão por agulha), TEP maciço, IAM extenso, hipercalemia, acidose,overdose de drogas (tricíclicos, B-bloq cálcio.

Fonte: Artigo Científico