O nascimento da criança é o momento mais esperado pelos pais, que depois de nove longos meses veem pela primeira vez o rostinho do mais novo membro da família. Mas nem sempre esse momento é de alegria, inúmeros partos têm de ser feitos prematuramente por diversas razões, e enquanto a mãe recebe alta, o bebê tem de ficar internado na UTI neonatal.Crianças nascidas antes de 37 semanas de gestação ou que apresentam risco de morte são encaminhadas para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal. Nessa unidade, os recém-nascidos são colocados em incubadoras onde recebem uma sonda para alimentação na boca ou no umbigo, um tubo para respiração além dos sensores para monitorar os sinais de vida. Dependendo do estado do bebê ainda são administrados medicamentos para o fortalecimento de órgãos e até mesmo transfusões sanguíneas.Uma equipe multidisciplinar formada por profissionais como, neonatologistas, cirurgiões pediátricos, cardiológico e neurológico, fisioterapeutas, nutricionistas, fonoaudiólogo e enfermeiras devem estar preparados para acompanhar o desenvolvimento do bebê, 24 horas por dia, e atender qualquer tipo de emergência que possa surgir. Além de profissionais capacitados, a unidade deve contar com equipamentos especializados e em bom estado de conservação.

O recém-nascido recebe a alta quando não corre mais risco de morte, tem condições clínicas estáveis e peso acima de 1,7 kg. O bebê antes de receber a alta também, deve conseguir sugar bem, o que é imprescindível para a alimentação do bebê quando retornar para casa.Com aparelhos cada vez mais avançados, a UTI Neonatal consegue operar verdadeiros milagres como o caso que foi noticiado pelo portal da Globo, em que uma mãe, por complicações na gestação, teve de se submeter a um parto prematuro. A gestação estava apenas com 5 meses e o recém-nascido foi imediatamente internado na UTI Neonatal. Depois de 3 meses em tratamento, o bebê ganhou 2kg e já pode receber alta e ir pela primeira vez para casa.


Fonte: Só Enfermagem