NORWALK, Connecticut, 17 de junho de 2015 /PRNewswire/ -- A Mederi Therapeutics Inc. anunciou hoje que a Sociedade Americana de Endoscopia Gastrintestinal (ASGE -- American Society for Gastrointestinal Endoscopy) divulgou novas Diretrizes que citam o Stretta com uma opção viável para o tratamento da doença do refluxo gastroesofágico (DGRE). De acordo com as Diretrizes, a terapia por Stretta se mostrou segura, eficaz e durável, declarando especificamente: "Eventos adversos foram infrequentes e tipicamente secundários. A técnica parece aliviar os sintomas da DGRE por até 10 anos na maioria das pessoas". O documento foi preparado pelo Comitê de Padrões da Prática da ASGE, aprovado pelo Conselho Diretor da ASGE e publicado na edição de junho do Gastrointestinal Endoscopy.

O Stretta é um tratamento endoscópico minimamente invasivo, que aplica energia de radiofrequência (RF) não ablativa, para melhorar e restaurar a função do músculo esfíncter esofágico inferior, melhorando, portanto, os sintomas da DGRE."As recentes diretrizes da ASGE, relativas ao papel da endoscopia no tratamento da DGRE, destacam a segurança, a eficácia e a durabilidade do Stretta", disse o médico Robert D. Fanelli, MD, MHA, chefe de Cirurgia Minimamente Invasiva e Endoscopia Cirúrgica da Clínica The Guthrie e membro do Comitê de Padrões da Prática da ASGE e do Comitê de Diretrizes da SAGES. "Essas diretrizes, em conjunto com o Spotlight Review Clínico da SAGES sobre a terapia endoluminal do refluxo, previamente publicado, demonstram apoio ao Stretta como uma opção de tratamento para pacientes com DGRE, selecionados apropriadamente, baseado em exames rigorosos da literatura".

As diretrizes da ASGE também declaram: "Essa técnica usa a aplicação de energia de radiofrequência no esôfago distal e parece reduzir a DGRE ao diminuir a complacência do tecido e reduzir relaxamentos transientes do esfíncter esofágico inferior". Em resumo, as diretrizes sugerem que a terapia endoscópica antirrefluxo pode ser considerada para alguns pacientes com DGRE.A DGRE é o mais frequente diagnóstico gastrintestinal laboratorial nos EUA. Apesar de muitos pacientes serem tratados com inibidores de bomba de prótons (IBPs), no caso de aproximadamente 30% o controle dos sintomas é incompleto com IBPs.

Opções mais amplas de tratamento fazem a diferença

O CEO da fabricante do Stretta, a Mederi Therapeutics, Will Rutan, acrescentou: "Com estudos recentes destacando problemas potenciais com o uso a longo prazo de IBPs, esse é o momento certo para o Stretta. Os médicos que oferecem o Stretta estão posicionados para fazer uma diferença na qualidade de vida de seus pacientes, ao ampliar as opções de tratamento aos pacientes sob seus cuidados".O Stretta é o mais seguro, mais eficaz e mais econômico tratamento não medicamentoso da DGRE e é uma opção ideal para pacientes cujos sintomas são inadequadamente controlados por terapia medicamentosa ou preferem evitar a cirurgia. Ao contrário de cirurgia, o Stretta não altera a anatomia, de forma que ele fornece uma opção de tratamento versátil, que não complica qualquer cirurgia no futuro e também pode ser utilizado em pacientes que já se submeteram a procedimentos antirrefluxo ou bariátrico e sofrem com a recorrência da DGRE.

A Terapia por Stretta é uma opção de tratamento não cirúrgico para pacientes com DGRE, que não respondem bem a medicamentos e querem evitar a cirurgia. O Stretta já foi objeto de mais de 37 estudos, todos apresentando um alto nível de segurança e eficácia. O Stretta é fabricado pela Mederi Therapeutics e está disponível em todo o mundo.


Fonte: Artigo Científico