A alcalose metabólica surge devido a um excesso de bicarbonato na corrente sanguínea.Ocorre quando o corpo pede ácido excessivamente. Por exemplo, em casos de vômitos repetidos, onde há uma grande perda de ácido do estômago, ou quando ácido estomacal é aspirado por uma sonda nasogástrica. Em casos raros, a alcalose pode ser desenvolvida devido à grande ingestão de alimentos alcalinos, como o bicarbonato de sódio. Outra possibilidade é quando há uma excessiva perda de sódio ou de potássio, afetando, deste modo, a capacidade renal para que haja um controle do equilíbrio ácido-básico sanguíneo.

As manifestações clínicas deste tipo de alcalose são irritabilidade, clonismo e concentrações musculares, podendo também não causar nenhum sintoma. Caso a alcalose metabólica seja grave, podem ser verificadas contrações prolongadas e espasmos musculares (tetania).
O diagnóstico é feito por meio do quadro laboratorial. Este revelará pH elevado (superior a 7,45), a concentração de CO2 estará normal, não havendo interferência respiratória na produção do distúrbio, o bicarbona real encontra-se elevado (acima de 28mM/L) e um excesso de base (superior a +2mEq/L).

Normalmente o tratamento dessa alcalose consiste na remoção da causa, quando possível, e na reposição dos líquidos e dos eletrólitos (sódio e potássio) enquanto se trata a causa base. Todavia, quando a alcalose metabólica é muito grave, faz-se o fornecimento de ácido diluído sob forma de cloreto de amônia por via endovenosa.


Fonte: Info Escola