O choque distributivo é uma variação do choque circulatório e acomete, em especial pacientes internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTI's), sendo um dos principais fatores contribuintes para as altas taxas de mortalidade hospitalar, mesmo com os avanços na compreensão da fisiopatologia do choque e da terapêutica aplicada (MARSON et al., 1998). Essa alteração fisiológica é caracterizada por inadequação entre a demanda tecidual e a oferta de oxigênio ocasionada por uma alteração na correta distribuição de nutrientes através do fluxo sanguíneo. Assim, temos tecidos com fluxo sanguíneo elevado em relação à necessidade e outros com fluxo sanguíneo suficiente em termos numéricos, mas deficiente para atender às necessidades metabólicas do organismo (SIQUEIRA, SCHMIDT, 2003).

Uma das causas desencadeadoras pode advir de fatores neurológicos, como trauma raquimedular, uso de drogas vasodilatadoras, anafilaxia e doenças endócrinas. A vasodilatação ocasiona diminuição da resistência vascular periférica (RVP), que por sua vez ocasiona uma diminuição do retorno venoso e do débito cardíaco. Como mecanismo de compensação para esse estado hemodinâmico, ocorre aumento da contratilidade e da frequência cardíaca (MARSON et al., 1998). Segundo Neto (2011) a fisiologia cardíaca normal é composta por três fatores principais:

Pré-carga

Volume ventricular no final da diástole. A elevação da pré-carga leva ao aumento do volume de ejeção. A pré-carga depende principalmente do retorno do sangue venoso corporal. Por sua vez, o retorno venoso é influenciado por alterações da postura, pressão intratorácica, volume sanguíneo e do equilíbrio entre a constrição e dilatação (tônus) no sistema venoso.

Pós-carga

Resistência à ejeção (propulsão) ventricular ocasionada pela resistência ao fluxo sanguíneo na saída do ventrículo. Ela é determinada principalmente pela resistência vascular sistêmica.

Contratilidade

Representa a capacidade de contração do miocárdio na ausência de quaisquer alterações na pré-carga ou pós-carga. Em outras palavras, é a "potência" do músculo cardíaco.Em casos de choque distributivo, há alteração de um ou mais fatores. Veja abaixo uma estrutura que faz menção ao sistema cardiovascular:

O equilíbrio entre os três mecanismos fisiológicos do coração proporcionam ao organismo a regulação da circulação sistêmica, mantendo em níveis adequados o suprimento sanguíneo para órgãos e tecidos do corpo.
As veias promovem o retorno do sangue, a partir dos leitos capilares, até o coração e contém cerca de 70% do volume sanguíneo circulante, contrastando com os 15% representados pelo sistema arterial (NETO, 2011). Portanto, a diminuição da resistência vascular sistêmica (RVS) influenciará negativamente na resistência vascular periférica (RVP) fazendo com que as veias sofram vasodilatação exacerbada reduzindo assim, o retorno venoso e consequentemente alterando significativamente o débito cardíaco (DC).
O diagnóstico do tipo de choque circulatório pode ser baseado na determinação de variáveis hemodinâmicas através da monitorização hemodinâmica invasiva, com o uso do cateter de Swan-Ganz (SIQUEIRA, SCHMIDT, 2003).[p]
[p]O papel do enfermeiro na promoção constante de educação continuada à equipe de enfermagem é essencial para se trabalhar adequadamente com a manutenção e o controle hemodinâmico do paciente, proporcionando ao profissional maior segurança na identificação de alterações que o paciente pode apresentar à beira do leito hospitalar.
Profissional, este distúrbio hemodinâmico pode ser muito perigoso e colocar à vida do paciente em risco. O diagnóstico precoce é determinante na sobrevida do enfermo e na redução das taxas de mortalidades em UTI's. Trabalhemos em conjunto para minimizar esses riscos!


Fonte: COFEN