Pela primeira vez, cirurgiões do Hospital Johns Hopkins (EUA) transplantaram um rim de uma doadora HIV positiva viva para um receptor HIV positivo. O procedimento é considerado um avanço e a comunidade médica espera conseguir realizá-lo com diferentes órgãos, mudando a percepção do vírus.

De acordo com informações do jornal norte-americano The Washington Post, a cirurgia foi realizada na segunda-feira e tanto a doadora, Nina Martinez, de 35 anos, quanto o destinatário, que preferiu não compartilhar seus dados pessoais, estão se recuperando no hospital e passam bem. Após um ano necessitando de diálise renal, esta será a primeira vez que o receptor não dependerá do procedimento

Para uma pessoa soropositiva, viver com apenas um rim era considerado muito perigoso porque a infecção e os medicamentos que a controlam aumentam o risco de doença renal.

Mas um estudo feito em 2017 com 42 mil pessoas, por pesquisadores do mesmo hospital que realizou o transplante, mostrou que, para doadores saudáveis, o risco de desenvolver doenças renais graves não era consideravelmente maior do que para quem vive com o vírus, especialmente quando comparado com pessoas que tem hábitos de estilo de vida considerados prejudiciais, como fumar.


Fonte de texto e imagem: vivabem.uol.com.br