Profissionais de Enfermagem que trabalham mais de 30 horas semanais têm maior chance de sofrer com estresse e outras doenças. Preocupados com esse fator de risco, os deputados aprovaram na Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa), durante Sessão Ordinária nesta terça-feira (30), o Projeto de Indicação 7/2019, que estabelece a jornada semanal de 30 horas para enfermeiros e técnicos de Enfermagem que trabalham em todo o território paraense.

A proposição é de autoria do deputado Fábio Freitas, que após ser procurado pela direção do Conselho Regional de Enfermagem do Pará (Coren-PA), para ser um interlocutor entre a categoria e os poderes Legislativo e Executivo, ficou sensibilizado com a realidade desgastante dos profissionais e apresentou o projeto, a fim de atender as reivindicações da categoria.

O conselheiro federal, Antônio Marcos, parabenizou a categoria pela vitória e destaca que essa é uma grande conquista para a Enfermagem do Pará. "Aprovar a redução da jornada resultará em impactos positivos na saúde dos profissionais de Enfermagem. Essa é uma luta antiga da nossa categoria, agora vamos lutar para que tenhamos a aprovação dessa lei em âmbito nacional", enfatizou Antônio.

Fábio Freitas agradeceu o apoio dos deputados que entenderam a importância desse projeto e votaram a favor, sensibilizando o governo na apreciação. "Eu já conhecia essa realidade e essa solicitação veio para reforçar o nosso apoio e garantir melhores condições de trabalho a esses profissionais, que na maioria das vezes chegam a trabalhar mais de 40 horas e essa situação está prejudicando a saúde de todos eles", justificou.

Os profissionais de Enfermagem acompanharam as discussões até a votação e ressaltaram a importância da proposta para garantir uma política de carga horária mais justa. Ao todo, segundo a presidente do Coren-PA, Danielle Rocha, a medida vai beneficiar cerca de 70 mil profissionais.

"Sabemos que esse é um passo que a enfermagem está dando para atender a nossa pauta para garantir as 30 horas semanais, mais do esse período é desgastante e a gente sabe que isso é prejudicial à saúde e reflete na qualidade da assistência que é prestada ao usuário", defendeu Danielle Rocha.

O presidente da Casa de Leis, deputado Daniel Santos, que é médico, se manifestou a favor do projeto. "É um projeto extremamente importante e eu, que sou médico, sei a importância do trabalho ser reconhecido e valorizado. Por isso fiz questão de pedir a prioridade para apreciação desse projeto", ressaltou o presidente.

A proposta ainda será votada em outros turnos, e após esse trâmite será encaminhada ao governador para sanção.


Fonte de texto: www.cofen.gov.br