Com o objetivo de capacitar as enfermeiras fiscais para o desenvolvimento de ações fiscalizatórias de qualidade na área de Enfermagem obstétrica e saúde da mulher, o Conselho Regional de Enfermagem do Distrito Federal (Coren-DF) recebeu nos dias 9 e 10 de julho, em sua sede, a enfermeira Obstetra e membro da Comissão Nacional de Saúde da Mulher do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) Elisanete Carvalho para desenvolver esse trabalho.

A capacitação é voltada para um novo modelo de assistência que é baseado em evidências científicas. O programa Rede Cegonha do Ministério da Saúde tem a finalidade de estruturar e organizar a atenção à saúde materno-infantil no País e está sendo implantada, gradativamente, em todo o território nacional. "Ele preconiza que a mulher deve ser atendida respeitosamente e de forma humanizada nesse novo modelo de assistência", explicou Elisanete.

Segundo Elizanete, o Cofen desenvolve um trabalho de rede institucional, no qual os grupos técnicos regionais são instruídos e os enfermeiros fiscais capacitados para fiscalizar as maternidades, os centros de parto normal ou casas de parto. "Nesses dois dias eu orientei as fiscais para um olhar mais atentivo à atuação do enfermeiro obstétrico, para que o profissional tenha autonomia e que a Enfermagem tenha respaldo legal, técnico e ético nesse novo modelo de assistência", afirmou.

A atividade contou com momentos teóricos e práticos, como a visita técnica à Casa de Parto de São Sebastião, referência em parto humanizado no DF. Para a gerente de fiscalização do Coren-DF, Daniela Rossi, a capacitação é extremamente importante. "Essas ações visam instrumentalizar o enfermeiro fiscal e trazer maior qualidade em seu trabalho, tanto em busca de capacitá-los quanto de amparar a comunidade que usufrui desse tipo de serviço", ressaltou.

De acordo com a enfermeira fiscal, Sheila Depollo, a capacitação em saúde da mulher veio de encontro com o planejamento do departamento de fiscalização. "Em breve nós teremos esse nicho para ser fiscalizado. Então, para as enfermeiras fiscais essa é uma atividade muito importante para trazer o conhecimento técnico para desempenhar, da melhor forma possível, a visitação in loco", explicou.

Casa de Parto São Sebastião – A Casa de Parto de São Sebastião coloca a capital federal em destaque no que diz respeito ao atendimento especializado feito por uma equipe exclusivamente de Enfermagem. O espaço funciona 24 horas por dia e é pensado especialmente para as futuras mães e para a família. A equipe é formada por 15 enfermeiros obstétricos, 10 técnicos de Enfermagem, 2 nutricionistas e 4 técnicos de nutrição.

Segundo a gerente do local, Jussara Vieira, o parto é algo fisiológico, natural. "Precisamos trabalhar com esse entendimento para que a gente chegue ao respeito, à integridade, à individualidade de cada mulher. Então, o trabalho realizado pela Enfermagem obstétrica permite o desenvolvimento desse modelo com muito mais empenho, muito mais verdade, já que o enfermeiro tem, em sua veia, o cuidar de uma forma integral", afirmou.

Para Elisanete, a visita à Casa de Parto de São Sebastião é um marco, pois o local é referência para outros estados do país. "É de grande valia conhecer a casa de parto de São Sebastião que presta um serviço humanizado e qualificado, por enfermeiros obstetras que atuam e possuem o reconhecimento e o agradecimento da população", finalizou.[/p]

Além das enfermeiras fiscais, participaram da ação membros da Comissão de Saúde da Mulher do Coren-DF, Vilma Alves e Dalmira de Lima.


Fonte de texto: www.cofen.gov.br