A integrante da Comissão Nacional de Enfermagem Forense do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), Zenaide Medeiros, participa, de 10 a 14 de setembro, da Conferência Internacional de Enfermagem Forense, em New Orleans, nos Estados Unidos. Pela primeira vez na história da Enfermagem forense mundial, uma enfermeira que não é norte-americana recebeu o prêmio da Associação Internacional de Enfermagem Forense.

O Prêmio Virgínia Lynch é concedido uma vez ao ano e reconhecido por toda academia forense mundial. Este ano, de forma inédita, uma brasileira ganhou o prêmio. A homenagem é o maior prêmio concedido a uma enfermeira forense, por atividades inovadoras ou profissionais que tenham se destacado em algum projeto.

O objetivo da conferência é congregar várias vertentes da Enfermagem Forense. Nos Estados Unidos, essa área fala de violência sexual e da investigação pós-morte. A ganhadora do prêmio e integrante da Comissão de Enfermagem Forense do Cofen, Zenaide Medeiros, destacou que a premiação é como um Oscar para a Enfermagem Forense brasileira.

"Todo o grupo de ciências forenses reconhece esse prêmio, por ser o reconhecimento máximo dessa área. Gostaria de agradecer essa oportunidade, a todos que estiveram comigo. Agradeço também à ABEFORENSE", relatou Zenaide.

Zenaide ressaltou também que não ganhou o prêmio sozinha, pois existe um grupo envolvido. "Esse prêmio é da Enfermagem brasileira. As pessoas agora sabem Enfermagem Forense brasileira existe e é atuante", finalizou.

Fonte de texto: www.cofen.gov.br