Os distúrbios do sono consistem em diferentes condições que podem atrapalhar as noites de sono do paciente. O sono é dividido em quatro fases sendo que cada uma delas é responsável por uma atividade diferente. Apresentar dificuldades em qualquer uma delas pode resultar em problemas de saúde no curto e longo prazo.

Devido à importância de boas noites de sono, conheça a seguir quais são os principais distúrbios relacionados e também quais exames podem ser realizados para um diagnóstico confiável.

Quais são os principais distúrbios do sono?

Existem mais de 100 distúrbios do sono e do despertar já identificados por estudos científicos. Devido à amplitude, eles são agrupados em quatro categorias principais:

● dificuldade de adormecer ou permanecer dormindo;
● problemas para permanecer acordado;
● problemas para conseguir manter uma rotina regular de sono;
● comportamentos incomuns durante o sono.

Apesar desses tipos de distúrbios, alguns são os mais frequentes e comuns, sendo apresentados a seguir!

Apneia do sono

De acordo com o Instituto do Sono em São Paulo, entre 2007 e 2017, foi identificado um crescimento de 38% para 69% da população brasileira que sofre com apneia do sono.

Essa condição consiste em uma obstrução total ou parcial do fluxo de ar na garganta enquanto se dorme, fazendo com que o sono não seja reparador.

Entre os sintomas que permitem identificar a apneia está o cansaço e sonolência durante o dia. Roncos altos e frequentes também são indicativos do distúrbio. A apneia é causada pela obstrução da faringe durante o sono, impedindo a passagem de ar e provocando sons altos. Uma condição que pode aumentar as chances de desenvolver o distúrbio é a obesidade.

Pessoas acometidas pela condição têm maior propensão a desenvolver problemas cardiovasculares e neurológicos.

Insônia

Outro distúrbio do sono cada vez mais comum é a insônia, que consiste na dificuldade de pegar no sono ou permanecer dormindo e também despertar antes da hora.

A insônia prejudica muito a qualidade de vida dos pacientes, pois está associada a ocorrências como cansaço extremo, falta de foco, irritabilidade, lentidão e dor de cabeça e no corpo durante dias seguidos.

A condição pode ser desencadeada por diferentes fatores, desde manter hábitos prejudiciais no período noturno – como comer/beber muito, assistir televisão, ficar no celular – como também devido os transtornos de ansiedade.

Devido não se sentir descansado e ter baixa concentração durante o dia, as pessoas ficam mais suscetíveis a sofrerem acidentes.

Narcolepsia

A narcolepsia consiste em um distúrbio que causa uma sonolência incontrolável. Pessoas acometidas com a condição podem perder a força em um instante e simplesmente apagar. Destaca-se que esse sono súbito pode ocorrer em diferentes atividades do dia a dia, afetando a segurança e qualidade de vida do paciente.

Bruxismo

O bruxismo refere-se ao aperto involuntário dos dentes durante o sono. Um dos indícios dessa condição é acordar com dores na mandíbula e também apresentar uma dentição mais desgastada que o normal.

Sonambulismo

O sonambulismo é um distúrbio mais comum entre as crianças e que tende a desaparecer com o tempo. Ele é caracterizado por falas desconexas e movimentos realizados sem consciência. Também pode comprometer a segurança do paciente.

Pernas inquietas

Esse distúrbio do sono consiste em uma necessidade irresistível de movimentar os membros inferiores para aliviar uma sensação desagradável que não deixa dormir de jeito nenhum.

Em casos mais graves pode afetar também os membros superiores e causa sonolência, cansaço, indisposição e irritação durante o dia devido às noites mal dormidas.

Quais exames identificam essas condições?

O principal exame para identificar qualquer tipo de distúrbio do sono é a polissonografia. Trata-se de um exame não invasivo que mede a atividade respiratória, muscular e cerebral, entre outros parâmetros, durante o sono.

Para isso, o médico responsável coloca sensores em diferentes locais do corpo. As sinapses são coletadas e analisadas por um software específico que as transforma em informações padronizadas que descrevem o sono do paciente.

Para a realização da polissonografia o paciente deve ir dormir na clínica especializada. Utiliza-se uma sala monitorada e confortável para que o indivíduo possa dormir normalmente.

Com os sensores fixados pelo corpo sem atrapalhar a movimentação é solicitado que ele durma o mais próximo possível de como ocorre em casa. A interpretação do exame leva em consideração as diferentes fases do sono, como movimentação dos olhos, ritmo cardíaco e pressão arterial.

São analisados aspectos como a movimentação do corpo, o tempo efetivamente dormido, as batidas do coração, despertares noturnos e outras intercorrências que possam afetar a noite de sono.

A polissonografia pode ter o [urlhttps://diagrad.com.br/laudos-a-distancia/] laudo a distância [/url] para reduzir o tempo de espera do paciente pelo diagnóstico e garantir a avaliação por um médico especializado. Caso suspeite de um distúrbio do sono procure ajuda especializada.

Por Maria Gabriela, SEO Marketing