A pneumonia é uma infecção que se instala nos pulmões e podem comprometer a região dos alvéolos pulmonares onde desembocam as ramificações terminais dos brônquios e, às vezes, os interstícios. O tratamento desse quadro deve ser realizado sob supervisão de um clínico geral ou de um pneumologista e é recomendado conforme o agente infeccioso responsável pela pneumonia, ou seja, se a doença está sendo causada por vírus, por fungos ou por bactérias. Normalmente, o tratamento tem início no hospital e em alguns casos pode ser feito em casa. Veja como deve ser esses cuidados e tire suas dúvidas.


De maneira geral, os casos mais simples de pneumonia são provocados por vírus, ou porque o organismo é capaz de os eliminar de forma natural, sem precisar de remédios. Outra situação é quando já existe uma defesa natural contra os vírus mais comuns ou porque tomou uma vacina, por exemplo. Dessa forma, a pneumonia viral é quase sempre menos grave, podendo ser tratada em casa com cuidados básicos, como descansar ou tomar expectorantes e remédios para febre.

Em contrapartida, quando a pneumonia é causada por bactérias, o tratamento precisa ser realizado com o uso de antibióticos, porque o organismo não consegue eliminar sozinho o microrganismo. Também há risco de espalhamento da bactéria para outros locais do corpo, o que deixa a pneumonia mais grave. Nessas situações, normalmente é solicitado a internação do paciente para que seja iniciado o tratamento com antibióticos diretamente na veia antes de ir para casa.


Tratamento em casa


Com o tratamento sendo realizado em sua moradia é muito importante manter todas as indicações, utilizando todos os remédios receitados pelo médico. Também é necessário ter outros cuidados para acelerar o tratamento como:

Evitar sair de casa no começo do tratamento, nos primeiros 3 a 5 dias, de acordo com o tipo de pneumonia, pois por mais que não existam sintomas, é possível transmitir a doença para outras pessoas;

Tomar os medicamentos nos horários e doses corretas, de acordo com a receita do médico;

Beber cerca de 2 litros de água por dia, para evitar desidratação;

Evitar usar medicamentos para a tosse que não foram indicados pelo médico;

Vestir roupa adequada à temperatura, evitando alterações bruscas.


Não é sempre que a pneumonia é contagiosa, porém sua transmissão é mais recorrente em casos de pneumonia viral, mesmo durante o tratamento. Assim, os pacientes devem utilizar máscaras e evitar tossir ou espirrar perto de outras pessoas, principalmente crianças, idosos ou pacientes com doenças que enfraquecem o sistema imune, como Lúpus ou HIV. Também é importante lembrar de lavar bem as mãos com água e sabonete ou usar álcool gel, reduzindo as chances de transmissão.


A duração do tratamento pode levar até 21 dias. Durante esse tempo, o ideal é ir ao hospital somente se os sintomas agravarem ou se não melhorar o quadro após 5 a 7 dias, especialmente a febre e o cansaço. A tosse, seca ou com pouca secreção, costuma persistir por mais alguns dias, mas com o uso adequado de medicações ou nebulizações receitadas pelo médico tende a melhorar rapidamente.

Tratamento no hospital


Como foi dito acima, o tratamento no hospital é mais comum nos casos de pneumonia bacteriana, pois a doença evolui muito rapidamente, podendo colocar em risco a vida do paciente. Sendo assim, é fundamental ficar internado para receber os medicamentos diretamente na veia e manter uma avaliação constante de todos os sinais vitais até que a doença esteja controlada, esse tempo de internação pode durar até 3 semanas.


Durante o internamento também pode ser necessário ficar com uma máscara de oxigênio para diminuir o trabalho do pulmão e facilitar a recuperação. Nos casos mais graves, que são mais frequentes em idosos, crianças ou pacientes com doenças autoimunes, a doença pode evoluir muito e impedir o funcionamento dos pulmões, sendo necessário ficar internado em uma Unidades de Terapia Intensiva (UTI) para garantir a respiração com um ventilador, que é uma máquina que substitui o pulmão durante o tratamento.


Além da pneumonia existem doenças muito mais graves que necessitam de profissionais altamente capacitados para atuar nas UTIs e outros setores de Urgência e Emergência. Nesse sentido, se você atua como enfermeiro (a) e deseja se especializar para trabalhar nas áreas consideradas mais complexas das unidades de saúde, o Incursos tem a pós-graduação certa para você. Matricule-se na especialização em Enfermagem Urgência e Emergência e UTI "Dupla Certificação" do Incursos. Obtenha dois certificados e faça a diferença no campo profissional.


Fonte: Drauzio Varella e Tua Saúde

Imagem: 123RF