Existem diversos tipos de curativos e cada qual contém uma finalidade, assim como formas e propriedades diferentes. Atualmente, o mercado já conta com curativos tecnológicos capazes de acelerar o processo de cicatrização de feridas, obtendo o bem-estar do paciente de maneira mais rápida. Mas, entre vários modelos alguns são mais usados pelos profissionais da saúde e considerados principais. Confira!

É importante ressaltar que, antes de fazer um curativo é preciso avaliar a ferida para que a escolha e aplicação do mesmo seja a que melhor convém com o estágio em que a lesão se encontra, a fim de facilitar o processo de cura.


Alginatos


Esse tipo de curativo é derivado de algas marinhas e, ao entrarem em contanto com a ferida, sofre mudança estrutural: as fibras de alginato se tornam um gel suave e hidrófilo conforme o curativo vai absorvendo a exsudação. É recomendado para quem possui feridas com exsudação em grande ou moderada quantidade e precisa de cobertura com gaze e fita adesiva.

Carvão ativo


Neste caso a cobertura é composta por tecido de carvão ativado, impregnado com prata. O curativo possui ação bactericida e é envolto por uma camada de não-tecido, selada em toda a sua extensão. É indicado para feridas que contém odor e aquelas infetadas exsudativas. Também precisa do uso de gaze e fita adesiva na cobertura.

Hidrocoloide


Esse modelo de curativo é impermeável à agua e às bactérias, além de isolar o leito da ferida do meio externo. Outra função do hidrocoloide é impedir o ressecamento e a perda de calor, mantendo um ambiente úmido ideal. É recomendado em casos de feridas com pouca ou moderada exsudação, podendo durar até 7 dias.

Hidrogel


Esse também é um tipo de curativo que proporciona um ambiente úmido oclusivo, evitando o ressecamento do leito da ferida e amenizando a dor. Possui a função de desbridamento nas áreas de necrose, sendo indicado para feridas limpas e não infectadas.


Filmes


Esse curativo contém cobertura de poliuretano, promove ambiente de cicatrização úmido, sem capacidade de absorção. Sendo assim, não é recomendado em feridas infectadas.

Papaína


Se trata de uma enzima proteolítica proveniente do látex das folhas e frutos do mamão verde adulto. Sua função é limpar secreções, tecidos necróticos, pus e microrganismos que podem estar presentes nas feridas, favorecendo o processo de cicatrização. É indicado para feridas abertas, com tecido desvitalizado e necrosado.


Ácidos graxos essenciais (AGE)


Feito à base de óleo vegetal, possui grande capacidade de desenvolver a regeneração dos quatro tecidos, acelerando o processo de cicatrização. Recomendada para prevenção de úlcera de pressão e para todos os tipos de feridas, possui melhores resultados com desbridamento prévio das lesões.

Antissépticos


São formulações que tem como finalidade matar os microrganismos ou inibir seu crescimento quando aplicadas em tecidos vivos. Os antissépticos indicados são o álcool a 70%, clorexidina tópica a PVP-I tópico.

Observação: especialistas da área da saúde, atualmente, fazem e recomendam a limpeza de feridas por meio de irrigação com solução fisiológica morna e sob pressão com seringa 20 ml com agulha 40 x 12. Essa forma de irrigação é capaz de remover partículas, bactérias e exsudatos. Além disso, deve-se usar a técnica asséptica e cuidar, no momento de irrigar, para não expulsar a agulha para dentro da ferida.


Se você atua na área da enfermagem e deseja aprofundar seus estudos sobre feridas, esse é o momento certo de começar sua pós-graduação. Faça sua especialização em Enfermagem Dermatológica com ênfase na Avaliação e Tratamento de Feridas no Incursos. Aperfeiçoe suas técnicas profissionais e faça a diferença no mercado de trabalho.



Fonte: Enfermagem Ilustrada

Imagem: 123RF