Feridas que resultam de cirurgias ou doenças metabólicas e demoram muito a cicatrizar podem sobrecarregar a capacidade de regeneração da pele. Como consequência, essas lesões crônicas costumam desencadear infecções persistentes que, em casos graves, podem levar a amputações.


Um grupo de engenheiros da Universidade Tufts, nos Estados Unidos, desenvolveu um protótipo de curativo inteligente capaz de monitorar a cicatrização das feridas e liberar doses precisas de antibióticos, facilitando a regeneração dos tecidos danificados. O curativo acompanha a cicatrização da ferida a partir da comparação da temperatura (indicadora do grau de inflamação) e da acidez (pH) do tecido alterado com os mesmos parâmetros do tecido sadio a sua volta.


Sob a coordenação de Sameer Sonkusale, professor de engenharia elétrica e da computação, os pesquisadores acoplaram sensores a uma bandagem transparente flexível com menos de 3 milímetros de espessura. Os sensores no curativo enviam as informações de temperatura e acidez para um microprocessador, que ativa automaticamente a liberação do antibiótico contido em cápsulas de hidrogel (Small, 6 de julho).


Por enquanto, o dispositivo foi testado apenas em experimentos com tecidos in vitro. Testes com animais estão em curso para determinar suas vantagens clínicas em relação aos curativos tradicionais.

Se você atua na área da enfermagem já deve ter percebido como a ciência avança e traz melhorias para área da saúde. Dessa forma, você profissional deve se atualizar sempre e procurar se especializar. Nesse sentido, a pós-graduação em Enfermagem Dermatológica com ênfase na Avaliação e Tratamento de Feridas do Incursos vai lhe deixar preparado (a) para trabalhar com eficiência nos mais diversos casos de feridas e aspectos dermatológicos. Não perca tempo, faça já sua matricula!


Fonte: Pesquisa Fapesp

Imagem: Pesquisa Fapesp