O sangue é formado por glóbulos vermelhos, glóbulos brancos, plasma e plaquetas, sendo possível a doação total de sangue ou de somente um dos componentes. Dessa forma, a doação por aféreses utiliza uma máquina coletora, que separa os componentes do sangue por centrifugação, neste caso as plaquetas, e devolve os outros componentes do sangue ao doador. Tudo isso de forma concomitante, estéril e segura.


De maneira mais explicativa e dividindo esse processo em partes, ocorre o seguinte: Um kit plástico, estéril e descartável é instalado na máquina coletora. O sangue do doador ali presente vai circular pelo kit, mas, em nenhum momento entrará em contato com a máquina. Esse circuito é composto de três partes unidas entre si.


Na primeira coleta o sangue, adiciona a ele um anticoagulante e o transfere a um segundo compartimento, de centrifugação, onde o sangue é separado em seus componentes principais, que ficam dispostos em camadas sendo eles, o plasma, plasma rico em plaquetas, glóbulos brancos e glóbulos vermelhos, permitindo a coleta seletiva do componente desejado em uma pequena bolsa coletora. Por último, a via de devolução, onde os outros componentes são misturados novamente e devolvidos ao doador.

Esse processo prossegue até que a coleta programada chegue ao seu final.

A vantagem da doação de plaquetas por aférese é que dá para fazer a coleta com apenas um doador, componente com número de plaquetas suficiente para transfusão em um adulto. Numa doação de sangue convencional, seriam necessários aproximadamente seis doadores para obter o mesmo número de plaquetas.

Tempo de doação


A duração da coleta varia conforme o produto a ser coletado e com o calibre das veias do doador. Normalmente, as coletas levam 30, 90 e 130 minutos, respectivamente para hemácias e plasma, concentrado de plaquetas e glóbulos brancos.

Também existe um tipo especial de glóbulos brancos, as células-tronco do sangue, utilizadas para transplante de medula óssea, que podem ser coletadas por esse método, no qual o tempo é muito variável, de duas a seis horas, dependendo da quantidade de células tronco circulantes do doador e da dose desejada de células para o receptor.

No Brasil a coleta de plasma de doador por máquinas é muito rara, por causa do grande excedente de plasma produzido pela coleta convencional de sangue e pelo alto custo da coleta por máquinas.

Qual é a vantagem da doação por aférese para o paciente?


Para os pacientes, esse método permite coletar maior quantidade do componente desejado do sangue em pequeno volume. Assim, o paciente que recebe esse produto tem sua necessidade atendida com menor número de transfusões.

Qual é a vantagem para o serviço de transfusão?


Para o Serviço de Transfusão, é mais fácil atender à necessidade dos pacientes e ainda conseguir manter seus estoques devido o pequeno número de doadores de aférese. Para se ter uma noção, apesar do volume doado ser pequeno, um doador de plaquetas por aférese doa quantidade de plaquetas suficientes para atender até dois pacientes, enquanto na doação de sangue sem o uso de maquinas que proporcionam esse resultado seriam necessários até 20 doadores. Isto significa que, 120 doadores de plaquetas por aférese em um mês, produzem o equivalente à coleta convencional de 2.000 doadores. Nesse sentido, a coleta automática permite atender uma demanda muito maior de transfusões de plaquetas com um número relativamente pequeno de doadores.

E a vantagem do doador?


No caso dos doadores existe a simples vantagem de estar fazendo o bem aos pacientes necessitados, principalmente pelo fato de ser necessário até 20 doadores de sangue para o mesmo resultado. A outra vantagem para o doador é de natureza técnica. Nas doações de plaquetas, a perda de hemácias do doador é muito reduzida, correspondendo de 15 a 30 ml, dependendo do equipamento utilizado.


O concentrado de plaquetas doado possui basicamente plasma e plaquetas, sendo que esses componentes são repostos rapidamente. Com isso, a tolerância do doador é muito melhor que na doação de sangue convencional. Essa excelente tolerância do doador faz com que as doações de plaquetas por aférese sejam realizadas em intervalos de 3 dias, enquanto uma doação de sangue convencional deve respeitar intervalos de 2 ou 3 meses para homens e mulheres, respectivamente.

Quais pacientes precisam de transfusão de plaquetas?


Aqueles que possuem poucas plaquetas em seu sangue ou, menos frequentemente, aqueles que apresentam plaquetas defeituosas em sua função.

Nossos glóbulos sanguíneos são produzidos por "células-mãe" do tutano vermelho dos ossos, presente nos ossos da bacia, do tórax, da coluna vertebral e do crânio. Por esse motivo, a maioria das pessoas que necessitam de transfusão de plaquetas é representada por pacientes com doenças que afetam diretamente a medula óssea, benignas ou malignas, ou, aquelas cujo tratamento agride e prejudica a produção de glóbulos da medula óssea, como ocorre após quimioterapias para tratamento do câncer. Eventualmente, em cirurgias cardíacas ou transplante de órgãos, onde a necessidade de transfusões pode ser grande, também é comum a necessidade de transfusão de plaquetas.

Vale ressaltar também que o concentrado de plaquetas coletado pode ser mantido em estoque, no máximo, por cinco dias. Esse é um dos fatores que contribuem para a necessidade constante de doação de plaquetas, principalmente por aférese.

Se você atua na área da saúde e deseja ampliar seu conhecimento em hematologia e se tornar um (a) profissional mais capacitado (a), você precisa começar sua pós-graduação. E, o Instituto Monte Pascoal possui a especialização em Hematologia Clínica e Banco de Sangue, Hemoterapia e Terapia Celular "Dupla Certificação". Conheça, faça sua matricule e se torne referência no mercado de trabalho.



Fonte: Hemocentro RP, GSH Banco de Sangue e HemoBA

Imagem: 123RF