O corpo humano possui o sangue como componente fundamental para seu bom funcionamento, e cada indivíduo pode pertencer a diferentes tipos de sangue, sendo eles A, B, AB, ou O. Esta tipagem sanguínea vai depender do tipo de antígeno que as hemácias de cada um possuem. Isso se deve a uma questão evolutiva, em que alguns tipos de sangue são compatíveis com outros enquanto outros nem tanto.

A descoberta da a tipagem sanguínea e a compatibilidade entre as pessoas foi um dos passos mais importantes dados até hoje pela medicina moderna, pois permitiu que diversos outros conhecimentos fossem adquiridos a partir desse. Mas, para entender melhor como o procedimento é realizado se faz necessário saber sobre os tipos de sangue, a compatibilidade de cada um e termos como sistema ABO e fator RH.


Sistema ABO


O sistema ABO foi descoberto pelo austríaco Karl Landsteiner no século XX. Karl percebeu que dá para distinguir a presença ou ausência dos antígenos A e B no sangue das pessoas, determinando assim os quatro tipos sanguíneos existentes, A, B, AB, ou O.

Essas diferenças não ocorrem por acaso. Os sangues do tipo A, por exemplo, possuem anticorpos que atacam os sangues do tipo B e o contrário também acontece. O sangue do tipo O possui anticorpos que atacam as hemácias tanto do sangue tipo A quanto do tipo B. Já o tipo AB não ataca nenhum dos dois tipos de antígenos.


Fator RH


O fator RH é outro tipo de antígeno existente no sangue. O sistema RH também foi descoberto por Karl Landsteiner só que desta vez em parceria com Wiener, após experimentos feitos com animais. Dessa forma, podemos classificar os tipos sanguíneos em: A Positivo; A Negativo; B Positivo; B Negativo; AB Positivo; AB Negativo; O Positivo; O Negativo.


Saber o fator RH é imprescindível no momento de realizar transfusão sanguínea e quando a mulher está grávida. Além disso, quando há certas diferenças entre o fator RH do pai e da mãe o bebê pode acabar gerando a eritroblastose fetal ou doença de Rhesus, no qual, o corpo da mãe cria anticorpos e ataca as hemácias do bebê. Essa doença pode ser evitada, mas é fundamental saber qual é o fator Rh dos pais para que o tratamento possa ser feito.

Também é importante saber qual é o fator de RH da pessoa que doou o sangue e do paciente que irá receber a transfusão sanguínea, pois, nem todo tipo de sangue é compatível para se doar nem para se receber.

Como é feita a análise laboratorial


Para definir o tipo sanguíneo e o fator RH de uma pessoa é preciso colocar em uma lâmina três gotas de sangue e, sobre o sangue, os soros: uma gota do soro anti- A (soro azul), uma gota do soro anti-B (soro amarelo), e uma gota do soro que determina o fator Rh (soro incolor).

Caso o sangue coagule nas três gotas a pessoa tem o tipo sanguíneo AB e fator RH positivo. Mas, se o sangue não coagular nas três gotas a pessoa é do tipo O e fator RH negativo.

Tipo A – se o sangue coagular com o soro anti-A, a pessoa é A.

Se o sangue não coagular com o soro anti-B, a pessoa também é do tipo A.

Se o sangue coagular com o soro que determina o fator RH (soro incolor) ela é positiva. Se não coagular, é negativa.


Tipo B – se o sangue coagular com o soro anti-B, é B.

Se o sangue não coagular com o anti-A ela também é do tipo B.

Se o sangue coagular com o soro que determina o fator RH (soro incolor), ela é positiva. Se não coagular, é negativa.

Por que é importante saber qual é o seu tipo sanguíneo?


Embora diversas pessoas achem que certos tipos de conhecimentos não são necessários para suas vidas, já que a ciência e a medicina já os descobriram, é importante qualquer um entender que existem diferenças na tipagem sanguínea das pessoas e principalmente, como essas diferenças podem nos afetar diretamente.


Levando em consideração que o sistema imunológico reconhece quando algo estranho invade o corpo e dessa forma, começa a produzir anticorpos. Essa substância protetora vai defender o organismo, combatendo bactérias e vírus. Isso significa que em situações que exigem transfusão sanguínea, saber o tipo sanguíneo é fundamental. Os anticorpos atacam tudo o que não deveria estar no sangue, por isso é preciso certificar que o antígeno não será atacado.

Para compreender melhor é preciso entender como a compatibilidade sanguínea funciona.


Sague do tipo A – considerado o mais comum entre as pessoas, e denominado como "anti-B", o tipo A contem anticorpos contra o sangue do tipo B. Com isso, pessoas com esse tipo sanguíneo só podem ser doadores para quem possui sangue "A" ou "AB".

Sangue tipo B – o sangue B é considerado um grupo mais raro. Como possui anticorpos contra o tipo A ele é considerado anti-A. Quem possui o sangue B só pode receber sangue dos tipos "B" e "O".

Sangue tipo AB – é o sangue mais raro de todos os tipos. Ele não possui anticorpos contra o sangue A e nem contra o sangue B. Isso significa que quem possui o tipo sanguíneo AB pode receber sangue de qualquer tipo.

Sangue tipo O – é um tipo de sangue comum entre as pessoas, e possui anticorpos anti-A e anti-B. Por conta disso, só podem receber sangue do tipo "O". Porém é doador para todos os outros tipos.


Se você atua na área da enfermagem e deseja aprofundar seu conhecimento nas questões relacionadas a hematologia, saiba que o Instituto Monte Pascoal conta com a pós-graduação ideal para você. Conheça e se matricule na especialização em Hematologia Clínica e Banco de Sangue, Hemoterapia e Terapia Celular "Dupla Certificação". Seja um (a) especialista no assunto e faça a diferença no meio profissional.



Fonte: Trocando fraldas, Laboratório Nilson Santos e Solução Central Diagnóstica

Imagem: 123RF